Mesa Adega

Mesa Adega

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Ursos




Uma grande noticia tomou conta do meu lar,minha filha Nayara vai ter bebe em março do ano 2012,sendo assim resolvi começar a fazer as lembrancinhas para o chá de bebe e para quando o bebe chegar,ja sabemos q é um menino ,estou super feliz,aqui uma pequena amostra dos ursinhos q farei.






segunda-feira, 21 de novembro de 2011

TULIPAS

FLORES Q ENFEITAM A VIDA


As tulipas são originárias da Turquia e não dos Países Baixos, como o senso comum leva a imaginar. Foram levadas para os Países Baixos em 1560 pelo botânico Conrad Von Gesner. O nome da flor foi inspirado na palavra turco-otomana tülbend, posteriormente afrancesada para tulipe, que originalmente significa turbante, considerando a forma da flor invertida. Algumas referências defendem que as tulipas seriam originárias da China, de onde teriam sido levadas para as montanhas do Cáucaso e para a Pérsia.
Chinesas ou turcas, o fato é que elas se transformaram numa paixão para os neerlandeses e essa paixão foi tanta que gerou até uma especulação financeira envolvendo os bulbos desta planta, chegando a ser a quarta maior fonte de renda do país, na que ficou conhecido como mania das tulipas (ou tulipamania). A área mais antiga de cultivo de tulipas nesse país é a que circunda a cidade de Lisse. Hoje, é a flor nacional da Turquia (é nativa lá) e do Irã.

Significado das Tulipas
O significado principal da tulipa é o amor perfeito, as tulipas sempre dão um sentido de charme e elegância para qualquer ambiente.

As tulipas vermelhas são fortemente ligadas ao amor verdadeiro, enquanto a tulipa roxa simboliza quietude e paz, quando as tulipas amarelas uma vez representam o amor impossível ou a luz do sol generoso.

As tulipas brancas são vistas para reivindicar os valores ou emitir uma mensagem de perdão.



quinta-feira, 17 de novembro de 2011

CERIMONIA DO CHÁ

.
A prática de tomar chá verde em pó aportou no Japão com os monges zen-budistas que chegavam da China, no século XII. Com o tempo, seu uso difundiu se entre os samurais, chegando até às comunidades rurais. Tornaram-se comuns os “Cha-yoriai” (reuniões de chá), em que se promoviam concursos de provadores de chá com ostensivas exibições de riquezas e apostas vultosas. Foi somente no final do século XV que o monge zen-budista Murata Shuko (1422/1502) passou a incentivar a prática da cerimônia de chá em salas pequenas, com pouco utensílios, muitos de procedência doméstica. E coube a outro monge, Sen Rikyu (1522/1591), dar a estrutura definitiva para a cerimônia do chá, no final do século XVI (período Momoyama, o mais faustoso da história japonesa). Ligado à filosofia zen, Rikyu prega o espírito wabi (desprendimento, simplicidade, eliminação do supérfluo) para a cerimônia de chá que, ao longo dos anos, também se tornará a essência da arte japonesa. Segundo Rikyu, os princípios básicos do Caminho do Chá são: Harmonia (Wa), Respeito (Kei), Pureza (Sei) e Tranquilidade (Jaku). Cabe ao “Chajin” (homem de chá) criar um ambiente, através do rígido ritual e total participação, onde esses princípios sejam sentidos e vividos intensamente por todos, por um momento único e irrepetível.
Os princípios
A Harmonia resulta da interação do anfitrião, do convidado, da comida servida, dos utensílios usados e da natureza. Antes do chá, será oferecido doce ou uma leve refeição ao convidado cujos pratos estarão de acordo com a estação do ano. O segundo princípio, o Respeito, refere-se à sinceridade do coração, aberto para um relacionamento com o ser humano e a natureza, reconhecendo a dignidade inata de cada um. A Pureza, segundo os ensinamentos de Rikyu, relaciona-se ao simples ato de limpar. Os preparativos, o próprio serviço do chá e a limpeza após a cerimônia estão colocando em ordem, também, o seu próprio íntimo. E, esta ordem é essencial. Finalmente, a Tranquilidade é o conceito estético próprio do chá, alcançado através da prática constante em nosso cotidiano desses três primeiros princípios básicos. Segundo Rikyu, o ponto essencial do Caminho do Chá é que seus princípios são dirigidos à totalidade da existência e não somente aos momentos vividos em uma sala de chá. E é uma disciplina a ser treinada durante toda uma vida. São necessários pelo menos 10 anos para o domínio de todas as nuanças relativas à cerimônia.
Texto baseado no livro “Vivência e Sabedoria do Chá”, de autoria de Soshitsu Sen XV, São Paulo, T.A. Queiroz Editor, 1981.





domingo, 6 de novembro de 2011

Barbearia

Mais um Belissimo trabalho do meu amigo Hamilton Sandoval "A BARBEARIA" na qual é retratada com modelo de cadeira dos anos 40



quinta-feira, 3 de novembro de 2011

IGREJAS DE OURO PRETO-MINAS GERAIS -BRASIL

AQUI UM GRANDE TRABALHO DO MINIATURISTA RENATO LEITE,
ELE DESENVOLVE TRABALHOS COMO ESTAS IGREJAS DA CIDADE DE OURO PRETO,AQUI ESTÃO DUAS DELAS NOSSA SENHORA DO CARMO E A DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS CRIADAS NA ESCALA 1:200
ELE REDESENHOU AS PLANTAS DE AMBAS SOBRE AS PLANTAS ORIGINAIS,UM TRABALHO COMO ESTE LEVA EM MEDIA 6 MESES PARA FICAR PRONTO ,NESTES TRABALHOS ELE COLOCA FIGURAS COMO OS ESCRAVOS,FIDALGOS,SENHORINHAS,TILBURIS E MUITOS OUTROS ELEMENTOS,ELE REDESENHA NOSSA HISTORIA EM MINIATURA

PARABÉNS RENATO PELO MARAVILHOSO TRABALHO!!